8 soluções para melhorar o atendimento público de saúde

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Falta de receitas para o setor, alto custo de aquisição e manutenção de equipamentos e medicamentos, aumento da expectativa de vida do brasileiro e crescimento populacional acima da média são apenas alguns gargalos que a gestão pública brasileira enfrenta todos os dias na tentativa de oferecer um bom atendimento público de saúde. 

O SUS (Sistema Único de Saúde) é o maior sistema de saúde público e gratuito do mundo, oferecendo atendimento para mais de 100 milhões de brasileiros. Porém, vários fatores e problemas fazem com que o sistema não seja tão eficaz quanto poderia ser. São inúmeros os desafios da gestão da saúde pública no Brasil. 

Pensando nos problemas enfrentados no atendimento público de saúde no Brasil, listamos abaixo 8 possíveis soluções para essas questões. Boa leitura!

Como melhorar o atendimento público em saúde no Brasil?

1. Motivando o aumento de produtividade da equipe

O Brasil tem uma média de dois médicos para cada mil habitantes, proporção bem abaixo do ideal, sem falar da distribuição irregular dos profissionais pelo território nacional. Outro problema é a remuneração inferior à da rede privada, que afasta os médicos de excelência do SUS. Além disso, também faltam incentivos que estimulem a participação ativa de médicos, enfermeiros, radiologistas, entre outros profissionais.

Nesse caso, algumas medidas podem ser tomadas para melhorar a produtividade dos profissionais da saúde e também para aumentar a motivação, como, por exemplo, estabelecer metas qualitativas e quantitativas em conjunto com o time e oferecer gratificações por desempenho com base nos resultados.

2. Minimizando falhas de gestão com profissionais capacitados

De acordo com um estudo realizado pelo TCU, problemas como a falta de remédios em hospitais públicos não estão relacionados à ausência de recursos. O que acontece, na maior parte dos casos, são falhas na gestão.

É importante que os profissionais responsáveis pelo gerenciamento de processos tenham experiência não somente na área da saúde, mas também em gestão e em funções administrativas. Também é necessário o acompanhamento de perto, cobrando resultados efetivos e o cumprimento das metas estabelecidas. 

Outra solução para minimizar essas falhas são os recursos tecnológicos, como o sistema de gerenciamento de Saúde da Betha. Ele permite acesso a informações sobre as unidades gerenciadas, com diferentes indicadores sobre o município, facilitando a visualização de informações, a tomada de decisões e a gestão como um todo.

3. Otimizando o atendimento em prontos-socorros

A questão aqui é a atenção primária, também chamada de prioritária. Esse atendimento é fundamental para reduzir a pressão sobre os prontos-socorros e hospitais da rede pública. Segundo uma pesquisa feita pelo Conselho Federal de Medicina, o atendimento em prontos-socorros tem um grau de dificuldade intermediário em relação ao acesso do serviço.

Instalar uma cultura de prevenção pode evitar a pressão sobre esse tipo de atendimento. Já existem propostas como mutirões de vacinação, orientações para prevenção de doenças, Programa Saúde da Família, Programa Remédio em Casa e acompanhamento psicossocial. 

Outra forma de otimizar o atendimento nos prontos-socorros é oferecendo à população um aplicativo móvel, onde o usuário tem acesso aos seus agendamentos, atendimentos, medicamentos receitados e exames realizados pelos estabelecimentos de saúde do SUS. Assim, a demanda pelo atendimento presencial é diminuída e os profissionais conseguem otimizar e priorizar seus atendimentos de forma adequada.

4. Diminuindo a espera na recepção

Segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha no estado de São Paulo, mais de 30% dos entrevistados estavam na fila do SUS para a marcação de uma consulta, realização de algum procedimento ou tinham um familiar nessa situação. O tempo de espera médio para 47% dos entrevistados era de até 6 meses. Apenas 24% conseguiram ser atendidos em menos de um mês e 29% esperaram mais de 6 meses.

A informatização da rede para um sistema de gestão hospitalar é uma boa solução para esse problema. A coleta de dados por meio de prontuários eletrônicos reduz o consumo de materiais de escritório e aumenta a velocidade do atendimento, além de diminuir a chance de erros. Essa ficha informatizada disponibiliza aos profissionais exames, diagnósticos, internações e dados que ajudam em futuros tratamentos, com a possibilidade de serem acessados em qualquer lugar. 

5. Capacitando os profissionais 

Entendemos, então, que um dos maiores desafios da saúde pública brasileira é formar profissionais capacitados, que sintam a necessidade de construir uma carreira e que atendam as competências necessárias para atuar no atendimento público de saúde.

Além da remuneração ser inferior à da rede privada, falta, ainda, uma política de gestão com foco no reconhecimento desses profissionais. Toda essa situação acaba afastando futuros candidatos às vagas. No entanto, esse desafio pode ser combatido a partir de algumas ações.

Uma maneira de reverter esse cenário é redesenhando os planos de carreira e os salários. Essa mudança certamente mudaria o perfil dos profissionais da área de saúde que se inscrevem em concursos e, consequentemente, todo o setor se beneficiaria com uma equipe médica mais capacitada e motivada nos hospitais e prontos-socorros.  

Outra forma seria pensar em possibilidades do poder público amparar financeiramente a participação dos profissionais em cursos, programas e treinamentos de capacitação. Assim, o resultado na elevação do nível técnico da equipe e na motivação de todos com o trabalho também seria mais visível. 

Isso também é válido para os servidores da área administrativa, que precisam de treinamento específico para melhor atender a população.

6. Promovendo o atendimento familiar integrado

Uma estratégia para alcançar melhores resultados no atendimento à saúde é criar um atendimento familiar integrado, para dar continuidade aos tratamentos e prevenir problemas mais graves principalmente à parcela da população que vive de forma vulnerável.

Para isso, é fundamental ter equipes multidisciplinares e capazes de realizar tarefas como: 

  • compreender a realidade das famílias e identificar os problemas de saúde a que estão expostas; 
  • executar procedimentos necessários de vigilância à saúde; 
  • assegurar a continuidade nos tratamentos; 
  • garantir assistência integral, mantendo contato com as famílias e promovendo a saúde a partir da educação sanitária;
  • levantar discussões sobre conceito de cidadania entre as comunidades, etc.

7. Criando relatórios mais eficientes e confiáveis

O atendimento público de saúde lida diariamente com um volume grande de informação dos pacientes, dos profissionais e das unidades. Nesse contexto, torna-se fundamental criar relatórios eficientes e confiáveis, que possibilitem maior facilidade na tomada de decisões, e melhorias na organização.

Atualmente existem sistemas online desenvolvidos especificamente para ajudar na gestão de dados, permitindo, por exemplo, a visualização de prontuários com uso de filtros de busca. Outra forma de otimizar os processos, seria utilizar sistemas para gestão de relatórios médicos e receitas personalizadas, onde é possível prescrever a partir de uma base com mais de 30 mil medicamentos e que é atualizada diariamente.

Ainda, os relatórios médicos possuem informações muito importantes e sigilosas, portanto, precisam de mais segurança. Utilizar um software na nuvem é a melhor forma de proteger os dados, além de toda a funcionalidade de compartilhamento de prontuários, relatórios automatizados e backup de informações.

8. Investindo em tecnologia

A transformação digital traz mudanças significativas, inclusive para o atendimento público de saúde. Para hospitais, o surgimento de tecnologias capazes de auxiliar nos cuidados é imprescindível. A criação do Prontuário do Cidadão (PEC) foi apenas o primeiro passo, que abriu espaço para a inserção de outras tecnologias, como o Registro Eletrônico de Saúde (RES). 

De fato, a tecnologia auxilia o atendimento público de saúde de ponta a ponta, e permite a implementação de diferentes soluções. Além disso tudo, ter um planejamento estratégico é essencial e torna possível antecipar possíveis percalços e buscar melhorar cada vez mais o atendimento público de saúde. 

A importância dos sistemas de gestão em momentos de alta demanda, como uma situação de pandemia, é evidenciada. 

 

A Betha oferece inúmeras soluções para melhorar o desenvolvimento da gestão pública, como o sistema Saúde, que tem como objetivo trazer mais agilidades para os órgãos de saúde pública, o que resulta em um atendimento mais eficiente para os cidadãos que utilizam os serviços do SUS. 

Gostaria de mais informações e soluções para melhorar o atendimento público em saúde? Saiba mais sobre os sistemas de saúde da Betha e solicite uma demonstração.

Tags> ,
Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Sobre o autor
Betha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *