Complexos Reguladores e a Gestão de Medicamentos

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Grande parte da população que sofre com doenças crônicas depende do Estado para realizar o devido tratamento de saúde. Isso porque, em muitos casos, os medicamentos custam muito mais do que os pacientes podem arcar. Diante deste cenário, a administração pública precisa agir de forma estratégica e consciente para conseguir distribuir os medicamentos da melhor forma possível, uma vez que o estoque de medicamentos não costuma ser suficiente para atender toda a demanda.

Obter medicamentos para a população requer conhecimento dos processos. Os remédios de alta complexidade, por exemplo, só podem ser distribuídos após rigorosa avaliação do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF). Este órgão controla e monitora toda a distribuição de medicamentos para tratamentos de alto custo.

A administração pública precisa conhecer a realidade do município para atuar de forma justa e eficaz, atendendo os pacientes que precisam realizar seus tratamentos de saúde. Fazendo isso, o município cria condições para lidar com a oferta e a demanda na área da saúde, constituindo um Complexo Regulador que nada mais é que a organização do conjunto das ações de maneira articulada e integrada para adequar a oferta de serviços de saúde à demanda que mais se aproxima das necessidades dos pacientes.

Assim, a saúde pública pode ser considerada um imenso Complexo Regulador e principalmente para a gestão de medicamentos, a atuação seria importante para fazer as seguintes análises:

  • Regulação de Aquisição: definir o que comprar, quanto e como comprar.
  • Regulação da Distribuição: definir como distribuir os medicamentos adquiridos entre os seus estabelecimentos de saúde, se através dos programas assistenciais ou da demanda dos estabelecimentos. (Conhecimento sobre o que cada unidade de saúde vai usar, considerando a estrutura e os recursos oferecidos).
  • Regulação de Dispensação: processo de atendimento envolvendo três etapas: solicitação, avaliação e deferimento da solicitação. Envolve tratamentos contínuos e atendimentos diversos. (Atendimento dos profissionais médicos e o registro dessas informações).

Juntos estes três cenários ajudam a formar o Complexo Regulador que irá trabalhar na gestão dos medicamentos. O ideal é que estes três cenários trabalhem em harmonia para que os resultados esperados sejam alcançados. Caso ocorra algum problema nestas três etapas, a tendência é que o processo vire uma grande bola de neve que pode resultar em:

  • Processo demorado de aquisição
  • Compra de grandes estoques;
  • Transporte inadequado;
  • Má distribuição;
  • Armazenamento inadequado.

Tudo isso pode resultar em desperdício de medicamentos. Uma compra de grandes estoques mostra que os gestores não conheçam sua realidade nem seu estoque, sendo que grande parte dos medicamentos pode ser desperdiçada por causa da validade. Eles também não podem ser distribuídos a esmo. É preciso ter critérios, conhecer as necessidades antes de distribuí-los sendo que a melhor maneira de fazer isso é contando com o auxílio de um software que possua uma rotina própria para o controle de estoque, cadastro e transferência de materiais, controle financeiro e possibilidade de visualização rápida e eficaz de dados e relatórios. Somente conhecendo a fundo a realidade do município e da população, e tendo dados disponíveis para análises, é possível ter uma gestão eficiente na área da saúde.


Tags> ,
Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Sobre o autor
Betha Sistemas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *