Fim ao desperdício da merenda escolar!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

O Brasil figura entre os países que possuem elevados índices de desperdício de alimentos. E isso acontece em diversas instâncias: desde a plantação e a colheita dos alimentos, passando pelo transporte e armazenamento, até o consumo final.

Dados obtidos pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) mostram que o Brasil desperdiça, todos os dias, mais de 40 mil toneladas de alimentos. Outro dado preocupante é que grande parte deste desperdício está relacionado à merenda escolar – um grande motivo para reflexão. Em um país como o nosso, com tantas mazelas que atingem diretamente a população, precisamos lidar com a falta de organização e responsabilidade quanto aos alimentos que deveriam ser servidos para as crianças, adolescentes e jovens nas escolas.

Mas como resolver este impasse? Muitas instituições de educação já contam com programas específicos de conscientização e desperdício zero de comida. Infelizmente, ainda não é uma realidade comum a muitos municípios e estados. E, embora muitas ideias positivas de reaproveitamento e melhor uso de alimentos venham das próprias escolas, é imprescindível que o gestor público adote medidas efetivas com o intuito de mudar esta realidade.

Uma das formas mais eficientes a se fazer isso é contar com um software que seja capaz de ações como planejar a quantidade de pratos dos alunos, avaliar o controle nutricional e criar receitas com base nas restrições alimentares dos estudantes, afinal as intolerâncias alimentares crescem a cada dia. A ferramenta deve ser capaz de definir os alimentos que podem substituir aqueles que são causa de restrição e a quais/quantos alunos esta situação se aplica. Com isso também é possível saber a quantidade exata dos alimentos substitutos e a quem eles devem ser servidos. Outra necessidade a ser suprida por um sistema eficiente é a possibilidade de avaliação nutricional. O profissional de Nutrição deve ser capaz de avaliar as relações Peso/Idade, IMC/Idade das crianças, fazendo os ajustes necessários nos cardápios para adequar os valores dos alunos que se enquadrem fora dos índices aceitáveis.

O gestor precisa ter em mãos uma ferramenta que o auxilie no controle e distribuição diário da merenda e que seja transparente, para que possa prestar contas à população sempre que necessário. Com o auge da tecnologia, o gestor público não deve confiar o controle dos alimentos a um sistema manual ou precário. É um fator muito importante, inclusive de saúde pública, que deve receber toda a atenção necessária.

Tags>
Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Sobre o autor
Betha
Betha Sistemas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *