Como evitar fraudes na prestação de serviços de saúde

prestação de serviços de saúde
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Ao mesmo tempo em que a prestação de serviços de saúde é vital para a população brasileira, o setor de saúde é uma área que sofre com diversos conflitos de interesse e até mesmo com algumas fraudes. 

Para evitar esse tipo de problema, é fundamental a existência de políticas que fiscalizem esse setor, em prol do bem-estar e dos interesses dos pacientes, que sempre devem estar em primeiro lugar. 

E é exatamente nesse contexto de fiscalizações das prestações de serviços de saúde que entra o compliance, um dos pilares da governança pública. O compliance é um conjunto de disciplinas com o objetivo de fazer com que sejam cumpridas as normas legais e regulamentares, as políticas e as diretrizes estabelecidas pelo setor.

Podemos traduzir o termo compliance como “conformidade”. Assim, estar em compliance significa estar em conformidade com a lei, com as normas de governança pública e com os mais elevados padrões de conduta.

Entenda quais são as principais normas e condutas de conformidade no setor de saúde e descubra o que pode ser feito para evitar fraudes na prestação de serviço de saúde:

Normas e condutas de conformidade no setor de saúde pública

Você já ouviu falar na Lei Anticorrupção (Lei 12.846/2013)? A sua aprovação foi um importante marco do compliance no setor de saúde no Brasil e ainda contribui com o aperfeiçoamento da gestão do setor, garantindo uma relação transparente com clientes, colaboradores, representantes e fornecedores.

Em outros países, essa transparência no setor de saúde já é uma tendência há algum tempo. Exemplo disso é o Sunshine Act, que exige que hospitais, redes farmacêuticas e empresas de equipamentos de saúde informem o governo dos Estados Unidos em relação a todos os valores pagos aos médicos. 

Existem avanços com o intuito de promover essa transparência no Brasil. O estado de Minas Gerais aprovou uma lei bem semelhante ao Sunshine Act, a Lei 22.440/2016. Essa lei visa garantir que o governo seja  informado sobre qualquer relação que possa gerar conflito de interesse entre profissionais da saúde e instituições do setor.

Para que os avanços continuem, três principais pilares são indispensáveis quando se fala de saúde pública:

  1. Prevenção: significa o mapeamento de riscos, criação de um código de ética, controles internos, comunicação e treinamentos;
  2. Ação: é a supervisão constante, chamada de auditoria interna e externa;
  3. Detecção: a implantação de canais de denúncia, também conhecidos como due diligence.

No entanto, a falta de legislação específica que estimule a transparência de informações da prestação de serviços de saúde em todo o país gera falhas que favorecem o aparecimento de fraudes, prejudicando pacientes e todo o sistema.

Como evitar fraudes na prestação de serviços de saúde?

Treinamento de funcionários

Quando se decide implantar um programa de compliance no setor de saúde, o setor não se compromete apenas com a criação de leis e regras, mas precisa se comprometer também com o treinamento e desenvolvimento dos funcionários que lá atuam.

Ou seja, é fundamental promover treinamentos para toda a equipe, buscando criar uma cultura organizacional com foco no comportamento ético e efetivo de médicos, gestores, enfermeiros e colaboradores de diferentes setores. 

É necessário educar os profissionais para a nova realidade que encontrarão no ambiente de trabalho e motivar todos eles para a mudança de fato acontecer. Além disso, também é fundamental que os funcionários se sintam confortáveis e seguros para denunciar fraudes e condutas inadequadas e que recebam todo suporte no ambiente de trabalho. 

Para isso, a realização de auditorias frequentes e a criação de um canal de comunicação anônima são ações que podem trazer ainda mais transparência para a prestação de serviços de saúde.

Atenção redobrada às leis de licitações

Uma estratégia importante para evitar fraudes na prestação de serviços de saúde é redobrar a atenção às leis de licitações e fortalecer medidas de controle sobre os processos de contratação.

Os órgãos públicos são fiscalizados por diferentes poderes, desde o Ministério Público até a própria sociedade. Porém, o controle interno é fundamental para apoiar as medidas de fiscalização, garantir que as leis estão sendo cumpridas e evitar futuros atos fraudulentos. 

Controlar os estabelecimentos de saúde em todos os níveis

Muitas fraudes podem ser evitadas se houver um controle adequado dos estabelecimentos de saúde, desde o nível operacional ao administrativo. 

Uma possível solução para essa situação é a criação de relatórios realmente eficientes e confiáveis, garantindo que os gestores tenham acesso a informações e dados reais. Essa ação facilita o controle de diferentes setores e a tomada de decisões.

Também é possível centralizar as informações em um único sistema, como o Saúde, da Betha, operado pelos diferentes níveis dos estabelecimentos de saúde e gerenciado pelo gestor responsável pela área. Assim, é fácil identificar fraudes, demandas e outras urgências. 

Controle de estoque de medicamentos e insumos

Prestadores de serviço que entregam medicamentos e insumos em menor quantidade ou qualidade inferior estão entre as fraudes mais comuns na prestação de serviços de saúde. A distribuição inadequada também pode ser citada como exemplo.

A falta de planejamento na manutenção do nível de insumos, a negligência no seu armazenamento e a ausência de controles em todas as etapas, desde a compra até a distribuição, aumentam o risco de fraudes.

Para evitar este problema, é fundamental mudar a forma de controle de estoque de medicamentos e insumos, muitas vezes havendo a necessidade de aumento do quadro de funcionários e da otimização de processos de entrada e saída dos produtos.  O cadastro automatizado de medicamentos também é uma excelente solução.

Auxílio de tecnologias

Por meio da automatização de tarefas e de sistemas integrados, é possível ter acesso a dados relevantes para o combate a atos ilícitos de forma rápida e com um papel preventivo, o que torna a fiscalização dos órgãos ainda mais completa. 

Agora que você já sabe como prevenir fraudes na prestação de serviços de saúde, baixe nosso e-book para descobrir como melhorar a gestão dos atendimentos em saúde.

Tags>
Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Sobre o autor
Betha
Betha Sistemas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *