Avaliação de custos fixos norteia gestores sobre construção de novas obras

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Com a crise econômica que se estabeleceu nos últimos anos, a capacidade de arrecadação dos municípios brasileiros diminuiu, paralelo ao esgotamento da sociedade com relação ao aumento ou a criação de novos impostos. Aos poucos, recursos provenientes dos Governos Federal e Estadual tornaram-se as “meninas dos olhos” dos gestores municipais que, em contrapartida, devem levar em conta alguns fatores na hora de aceitar o recurso.

O especialista de Produtos da Betha Sistemas, Evandro Pazini Tonetto, explica que antes de iniciar uma nova obra com verbas oriundas de outras esferas de Governo, o gestor precisa fazer um estudo das unidades já existentes no município. “Ele precisa apurar se a atual estrutura está sendo utilizada em sua plena capacidade, pois mesmo que a demanda por serviços cresça, o custo fixo não aumentará se estiver sendo utilizado conforme planejado anteriormente. Também é necessário verificar se o município terá receitas suficientes para manter a nova unidade em funcionamento depois de pronta”, expõe o especialista.

É consenso afirmar que tais verbas são importantes, pois sem elas os municípios não têm condições de realizar novos investimentos. Principalmente em momentos como este, quando o dinheiro público torna-se escasso e o modelo federativo de arrecadação tributária desfavorece as prefeituras. No entanto, é preciso ter a consciência de que uma nova Unidade de Saúde ou uma escola, por exemplo, precisarão de uma quantidade significativa de novos recursos oriundos do tesouro municipal. “Para colocar a estrutura em funcionamento, teremos a ampliação dos custos fixos com pessoal, equipamentos, serviços, energia, água, telefone e outros”, explica Tonetto. Também não pode deixar de ser considerado o aumento de custos indiretos que passa a ser exigido do ente municipal.

Para conhecer os custos fixos de uma nova unidade, o gestor precisa ter em mãos e de forma ágil toda a formação dos gastos necessários, tendo como instrumento de análise as unidades que já são utilizadas. Além disto, uma decisão segura necessita da classificação destes custos como fixos e variáveis, diretos ou indiretos. “Assim é possível saber se a realidade financeira do município é compatível com a concretização de novos investimentos. Na maioria das vezes, o gestor não tem em mãos as informações que precisa, já que o prazo para adesão é menor que o tempo necessário para fazer todos os levantamentos manualmente”, explica o especialista.

Neste momento, conta ele, a decisão do gestor quanto à aceitação do convênio poderá levá-lo a dois caminhos possíveis. “O recebimento da verba pode realmente trazer ao cidadão uma efetiva melhora na qualidade, através da ampliação de um serviço prestado já existente. Ou, ainda, o valor pode ser utilizado de uma forma não tão eficaz, para edificar uma estrutura que, por falta de recursos no orçamento, pode acabar se tornando um ‘elefante branco”, completa.

 

Sistema de Custos da Betha facilita tomada de decisão

 

A fim de suprir a necessidade do gestor público nos momentos de decisão, a Betha disponibiliza ao mercado o sistema de Custos. Ele faz análises, coleta informações de outros softwares e entrega os dados completos na hora em que o gestor mais precisa. O sistema fornece de forma tempestiva uma análise completa, sendo possível avaliar os custos fixos que o município possui.

Com ele também pode-se analisar os custos nos diversos níveis de detalhamento que a situação exigir, além de tomar decisões levando em consideração até os itens gastos.

Por reunir informações existentes nos demais sistemas de gestão da entidade, a ferramenta proporciona que cálculos complexos deixem de ser realizados manualmente. Em Nuvem, pode ser acessado de qualquer computador que tenha conexão com a Internet, utilizando diferentes métodos de custeio e centralizando todas as informações em um único local. “Com o software, a facilidade da apuração dos custos para serviços de interesse da população torna-se ainda maior”, avalia Tonetto.

 

Para conhecer melhor o sistema de Custos ou solicitar uma demonstração, clique aqui.

Tags>
Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn
Sobre o autor
Betha
A Betha Sistemas é especialista no desenvolvimento de soluções de tecnologia para a gestão pública. Conta com um portfólio de mais de 47 sistemas e seis aplicativos mobile, que tornam as atividades dos gestores e servidores públicos mais eficientes. Para oferecer ao mercado os melhores produtos, a Betha utiliza tecnologia cloud, machine learning, big data, internet das coisas, inteligência artificial e reconhecimento de voz e facial. Possui 36 anos de história, 600 colaboradores diretos, matriz em Criciúma/SC, sete filiais, 22 revendas parceiras, mais de 3 mil clientes, mais de 1,4 milhão de usuários e está presente em 22 estados brasileiros. Para saber mais, acesse a página oficial da empresa: https://www.betha.com.br/.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *